B i o g r a f i a

Priscila Bomfim

Além de seu reconhecido trabalho como pianista, Priscila Bomfim tem se destacado nos últimos anos pela sua atuação no meio musical também como maestrina. Regeu espetáculos eleitos entre os melhores concertos do ano na cidade do Rio de Janeiro pelo Jornal O Globo: a ópera Serse em 2017, com elenco da Academia Bidu Sayão e a Orquestra da UFRJ e, em 2018, a ópera de câmara Piedade, do compositor João Guilherme Ripper, na Sala Cecília Meireles.

Priscila Bomfim é pianista e maestrina assistente da Orquestra Sinfônica no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, onde regeu concertos e óperas da sua temporada: Serse, de Handel (2016), La Tragédie de Carmen, de Bizet/Constant (2017), Os Contos de Hoffmann, de Offenbach e Orphée de Glass (2019), dentre outros concertos.

Durante cursos com os maestros Leonid Grin, Alexander Polianychko, Fabio Mechetti, Abel Rocha, Isaac Karabtchevsky, Neeme Järvi e Paavo Järvi, apresentou-se à frente das Orquestras Sinfônica Nacional do Chile (Chile), Sinfônica Jovem de São Petersburgo (Rússia), Filarmônica de Minas Gerais (MG), Sinfônica de Santo André (SP), Sinfônica Cesgranrio (RJ) e Järvi Academy Sinfonietta (Estônia).  Em 2018, além de concertos com a Orquestra Sinfônica da Bahia, a Orquestra Académica Bomfim (Portugal), do Concerto Mendelssohn e da Série Primavera da Dança com o Balé e Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal do RJ, foi uma das seis maestrinas escolhidas internacionalmente para participar da 4ª Residência do Linda and Mitch Hart Institute para Mulheres Regentes, do The Dallas Opera (Texas/EUA). 

Priscila iniciou seus estudos musicais em Portugal, onde nasceu e venceu seu primeiro concurso de piano. Estudou Piano e Regência Orquestral na UFRJ, onde também concluiu seu Mestrado em Piano com um relevante trabalho sobre Estratégias de Leitura à Primeira Vista ao Piano.

Foto: Meg Lopes

© Rodrigo Muniz 2019

  • YouTube ícone social
  • Facebook ícone social
  • Instagram